Dólar chega a patamar recorde cotado a R$ 2,16

O dólar fortaleceu-se ante o real nesta segunda-feira, fechando no patamar de R$ 2,16 pela primeira vez em mais de quatro anos, mesmo após o Banco Central (BC) atuar para conter o fortalecimento da divisa. O dólar subiu 0,84% ante o real, a R$ 2,1661 na venda. É a cotação mais alta para a divisa desde 30 de abril de 2009, quando fechou em R$ 2,182. O BC voltou a intervir com a oferta de swap cambial tradicional - equivalente a venda de dólares no mercado futuro - próximo ao fim do pregão, após a divisa acelerar a alta e atingir, na máxima do dia, R$ 2,1781. "O BC deveria ter entrado quando o dólar bateu R$ 2,16, porque se não fizesse, o dólar ia embora: batia R$ 2,17, R$ 2,18... O pessoal ia testar", afirmou o operador de câmbio da B&T Corretora Marcos Trabbold, ressaltando, entretanto, que não é possível determinar um teto para a divisa.

A autoridade monetária vendeu 39,1 mil contratos da oferta de 40 mil contratos de swap cambial tradicional. As últimas atuações do BC para segurar a alta do dólar ocorreram quando a moeda era negociada em torno de R$ 2,16, levando agentes do mercado a acreditarem que o BC não quer o dólar distante de R$ 2,15, com medo do impacto de um real depreciado sobre os preços. No entanto, o Trabbold classificou a intervenção como "tímida": "Ele só está operando no mercado futuro. Isso afeta o pessoal que faz hedge, mas acho que ele vai acabar vendendo no mercado à vista", emendou. Em entrevista ao jornal Valor Econômico publicada nesta segunda-feira, o presidente do BC, Alexandre Tombini, disse que a autoridade monetária poderá usar todos os instrumentos que dispõe para combater a volatilidade no mercado cambial.

Segundo analistas, o viés de alta do dólar verificado neste pregão era motivado, principalmente, por operações com o objetivo de testar a tolerância da autoridade monetária à valorização do dólar. "Essa alta é realmente um braço de ferro entre o mercado e o Banco Central", afirmou o superintendente de câmbio da Intercam Corretora, Jaime Ferreira.
 
(Fonte: Reuters News)

Comentários

ARQUIVOS DA GAZETA

Mostrar mais