quarta-feira, 1 de maio de 2013

Natan Joalheira tem falência decretada pelo TJRJ


O juiz Fernando Cesar Ferreira Viana, da 7ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), decretou na terça-feira, dia 30, a falência da joalheria Natan. O magistrado revogou o pedido de recuperação judicial, concedido em junho do ano passado, porque a empresa não conseguiu cumprir os requisitos econômicos, contábeis e jurídicos no curso do processo. Cabe recurso da sentença. "A comprovada falta de lisura por parte da recuperanda no decorrer do processo, comprovada por meio da omissão de informações e da própria paralisação das atividades empresariais, faz com que esta não mais reúna condições para dar continuidade ao pedido de recuperação judicial iniciado, e sendo certo seu estado de insolvência e impontualidade diante do que tudo fora até aqui demonstrado, não resta alternativa senão a convolação do pedido em falência", sentenciou o juiz.

Uma gestora e um administrador judicial foram nomeados para dar continuidade, em caráter provisório, às atividades, como arrecadação, avaliação e estratégia de venda dos bens. O representante da Natan tem cinco dias para apresentar a relação nominal dos credores da joalheria. Além disso, uma assembleia será realizada para criar uma relação nominal de credores. Criada em 1965 e conhecida como um dos principais nomes no ramo de joias de alto padrão, a Natan relata, nos autos processuais, que sua crise teve início em 2006. A joalheria enfrentava problemas financeiros e precisou obter aportes bancários de alto volume. Mesmo depois de renegociados, a dívida prejudicou os ativos da empresa, que ficaram engessados. Assim, credores e funcionários amargaram prejuízos e atrasos de salário, respectivamente. Na sentença, o juiz Fernando Cesar Ferreira Viana destaca que os problemas da empresa se agravaram depois que seu fundador, Natan Kimbelat, se afastou dos negócios. "Vale destacar que muito desta crise gerou-se a partir do afastamento do seu fundador NATAN KIMELBLAT, do gerenciamento da sociedade, quando então a empresa, segundo informações dos próprios funcionários, passou a ser gerida por um dos seus filhos", assinalou o magistrado.

Processo nº: 0209874-03.2012.8.19.0001

(Fonte: Promad)

Nenhum comentário:

Postar um comentário